terça-feira, 6 de novembro de 2018

Andorinha: Agência Do Banco Do Brasil é Destruída Por Bandidos Pela Segunda Vez


Na madrugada desta segunda-feira, 5, por volta das 2h30, uma quadrilha de assaltantes de bancos voltou a agir no município de Andorinha. De acordo com as primeiras informações, os criminosos dispararam várias vezes contra o posto da Polícia Militar e com o uso de explosivos destruíram caixas eletrônicos, provocando destruição e pânico. Até o momento não se sabe qual o valor subtraído, tampouco o paradeiro da quadrilha. 
Esta é a segunda vez que criminosos atacam, roubam e destroem a agência do Banco do Brasil naquele município. 




Fonte/Fotos| Andorinha Zoom.

Nordestino Que Não Sabe Ler Nem Escrever Cria Moto Movida A Água


“Sandro das antenas” ou “da moto movida a água”. É assim que o paraibano Sandro Alves de Oliveira, de 37 anos, é conhecido pelos moradores da cidade de Alagoa Nova, no Agreste da Paraíba, depois que inventou um sistema que faz com que a motocicleta dele seja movida a água.
Sandro diz que resolveu criar o sistema para fazer a moto funcionar com água após a greve dos caminhoneiros na Paraíba, em maio deste ano. “Com a falta de gasolina naquele tempo e com o alto preço do combustível, decidi criar esse sistema com água para economizar”, explica ele.

Segundo o inventor, a moto faz 1.000 km com apenas 1 litro de água. “Eu comecei a desenvolver uns negócios aqui dentro de casa. Fiz uma célula de hidrogênio, coloquei uma bateria, um produto dentro da água e a moto explodiu, consigo andar na cidade toda com ela”, revela.
O sistema acontece através de um reator de alumínio, em que as moléculas de hidrogênio se tornam o combustível para a moto. Questionado sobre os experimentos serem perigosos, Sandro diz que fez o projeto com muito cuidado.
“Não é perigoso quando a gente sabe exatamente a quantidade de produto que precisa ser colocado junto com a água, eu fiz direitinho e deu certo”, explica.

Mas antes de ficar conhecido na cidade pela invenção da motocicleta movida a água, alguns moradores já sabiam quem era Sandro. O primeiro trabalho do inventor foi desenvolver antenas para TV e é isso que ele faz até hoje.
“Hoje em dia é tudo digital, eu comecei a trabalhar fazendo antenas e tá dando certo. Eu criei minha própria antena pra mostrar aos vizinhos e depois eles começaram a me pedir pra fazer pra casa deles”, conta.
A produção de uma antena dura cerca de 25 minutos. Além desse trabalho, Sandro aprendeu sozinho a consertar eletrodomésticos e eletrônicos e hoje é procurado pelos moradores para fazer esse serviço.
Genaldo Gonçalves, que se mudou recentemente para a Avenida São Sebastião, onde a casa de Sandro fica localizada, diz que conheceu o trabalho do inventor através de amigos e das redes sociais.
“Eu ouvi falar do Sandro e das invenções dele, e o que impressiona é por ele não ter estudo e desenvolver tão bem esse trabalho com eletrônicos. As pessoas da cidade procuram consertar os aparelhos eletrônicos com ele, porque ele é muito inteligente”, afirma.


“Inventor’ nasceu na zona rural da cidade e nunca estudou”

Sandro nasceu na zona rural do município e há dez anos mudou-se para o Centro da cidade. O inventor nasceu com uma deficiência que compromete a fala. Ele diz que não sabe ler, nem escrever, e que aprendeu sozinho a consertar eletrônicos e criar suas invenções. “Eu só sei assinar meu nome, porque eu tive problema de cabeça e nunca consegui estudar”, explica.
O alagoa-novense conta que tem mais seis irmãos, mas que mora sozinho com a mãe, Maria Alves de Oliveira, de 79 anos. Maria diz que já está acostumada com as invenções do filho. “Ele começou com essas coisas desde que a gente veio morar na cidade, há uns 10 anos atrás, todo dia é um negócio diferente”.
Sandro afirma que não consegue estudar porque, quando tenta ler ou escrever algo, a cabeça dói muito. Mas diz que adora consertar os eletrônicos e inventar novos projetos. “Há uns anos atrás eu até tentei estudar, mas nunca deu certo. Já tentei ir a um psicólogo pra entender o que tenho na cabeça, mas não consegui”, lamenta.
O inventor não tem acesso à internet em casa e conta que aprendeu a mexer nos eletrônicos e criar os projetos sozinho. “É tudo da minha cabeça, eu não vi em canto nenhum. Fui aprendendo depois que comecei a mexer nisso tudo”, diz Sandro.
Quem conhece Sandro pelas antenas ou pela moto movida a água nem imagina a quantidade de outros projetos que o inventor já criou com materiais recicláveis que ele encontra no lixo. E é dentro de casa que Sandro trabalha. Ele tem um quarto reservado só para colocar os materiais que irão ser utilizados nas novas invenções.
Mas o quarto da casa já não é suficiente para guardar todo o material. Sandro conta que quase todos os dias moradores vão até a residência e entregaram eletrônicos velhos para que ele utilize em seus projetos.
Para as criações, o inventor conta com a ajuda do amigo desenhista José Carlos, de 30 anos. “Eu conheci o Sandro desde que ele veio morar aqui na Avenida São Sebastião, aí a gente começou a inventar esses projetos. Eu ajudo ele com os desenhos e na produção das antenas também”, diz José Carlos.
Umas das primeiras invenções de Sandro, que o amigo José Carlos ajudou a criar, foi a miniatura de um trio elétrico com materiais recicláveis. O projeto chama a atenção dos moradores da cidade, que querem vê de perto a criatividade do inventor alagoa-novense.
“Tem uns que eu ainda consigo consertar, mas os que não servem mais eu desmonto e uso para fazer outras coisas”, diz ele.
Um dos vizinhos de Sandro, Edvan Nascimento da Silva, diz que sempre acompanha as criações do amigo. “Isso é uma coisa maravilhosa da gente ver, eu fico sempre aqui do lado olhando as invenções dele. Esse trio elétrico é uma coisa linda e essa invenção da moto movida a água então… nem se fala! Isso poderia ajudar um monte de gente a economizar na gasolina”, destaca.
Outras invenções criadas a partir de material reciclável
Além das antenas e da moto movida a água, Sandro criou um projeto que ele chama de “batedeira reciclável para doces”. “Esse aqui é pra quem gosta de cozinhar. Eu coloquei um motorzinho, um pedaço de madeira e deu certo. É como uma batedeira, dá pra mexer doce, mexer massa e tem muita força”, explica o inventor.
Com um secador de cabelo, por exemplo, e com a ajuda do amigo José Carlos, Sandro criou uma miniatura de um parquinho. Ele conta que gosta de inventar para todo mundo, inclusive para ver a alegria das crianças.
Para os que gostam de música, os amigos fizeram um puff multifuncional. “Esse puff aqui é pra quem gosta de sentar e poder ouvir música em qualquer lugar. É só conectar o bluetooth do celular ou um pendrive nele, além disso tem um isopor dentro pra colocar um cervejinha”, explica o desenhista José Carlos.
Ainda de acordo com Sandro, ele já criou um carregador de celular a base de energia solar, mas deu a invenção de presente a um amigo engenheiro do Rio de Janeiro.
“Ele é muito inteligente, eu fico emocionada com as coisas que ele faz. Ele é uma pessoa muita boa e é cheio de criatividade”, diz Maria Aparecida, prima de Sandro.
O paraibano revela que até tem vontade de apresentar o sistema da moto movida a água para alguma empresa da região que tivesse interesse em aprimorar o projeto, mas que tem medo da reação das grandes empresas de combustível com a ideia. “Eu poderia até mostrar a algum empresário esse projeto, mas tenho medo. Por isso vou deixar essa ideia só na minha moto mesmo, porque é complicado”.
O inventor alagoa-novense diz que tem um sonho de criar um carro elétrico a base de energia solar. “Essa moto movida a água foi só o começo. Eu quero fazer um carro que funcione através da energia solar”, enfatiza.
Além disso, Sandro conta que já tem um outro projeto em mente. “Eu também tenho uma ideia na minha cabeça pra criar um gerador de energia eólica, pra eu utilizar aqui na minha casa”, destaca.
“É de uma alegria tremenda a gente ter Sandro como filho de Alagoa Nova, mesmo com as limitações dele, por não sabe ler, nem escrever, não deixa de ser esse fenômeno que a cidade ganhou por essas invenções que ele vem criando”, diz Rivanildo Diniz, empresário na cidade.

Fonte: G1.

Lula Entra Com Pedido De Liberdade No STF Após Moro Aceitar Ser Ministro De Bolsonaro


Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentaram nesta segunda-feira (5) ao Supremo Tribunal Federal (STF) um novo pedido de liberdade. Eles apontam parcialidade do juiz Sérgio Moro na condenação do petista dentro da Operação Lava Jato.
O argumento já havia sido utilizado em outros habeas corpus em favor de Lula, todos rejeitados pela Justiça, mas agora foi repetido, com base na decisão de Moro, que aceitou convite do presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir como ministro da Justiça no ano que vem.
O novo habeas corpus contém pedido de decisão liminar (provisória) para soltar Lula e ainda um pedido de extensão para impedir qualquer outra prisão dentro de processo criminal no qual Moro tenha atuado – um dos quais relativo ao sítio de Atibaia (SP), que está em fase final antes do julgamento.
Para a defesa, Moro demonstrou “inimizade capital” e “interesses exoprocessuais” ao condenar Lula, no ano passado, por corrupção e lavagem de dinheiro, o que, no entender dos advogados, deveria afastá-lo do processo.
A defesa cita ainda diversas medidas tomadas por Moro em relação a Lula – a condução coercitiva e a divulgação de gravações telefônicas do ex-presidente em 2016, por exemplo – como argumentos para fundamentar a reivindicação.
O texto do novo pedido ainda lembra que, antes da vitória de Bolsonaro, Moro se encontrou com o economista Paulo Guedes, conselheiro econômico do presidente eleito. Segundo a defesa, providências de Moro acabaram beneficiando Bolsonaro eleitoralmente.
“Logo após a divulgação do resultado das eleições presidenciais, o Juiz Sérgio Moro emitiu nota pública com congratulações ao presidente eleito – que, por seu turno, manifestou o desejo de que Lula deve ‘apodrecer na cadeia’ e seus aliados têm a opção de ‘deixar o país ou cadeia’”, lembra a peça.