WEB RADIO RMSOM | AUTO DJ 24 HRS

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

PEDRA VERMELHA: DESCASO NA EDUCAÇÃO - COLÉGIO DE PEDRA VERMELHA CAINDO AOS PEDAÇOS DESCASO

Cerca de 500 alunos condenados a estudar em situações desumanas no Colégio CEPEV em Pedra Vermelha Monte Santo.

Desde o mês de fevereiro de 2015, época em que o Governador do Estado da Bahia esteve na Sede do Município de Monte Santo, trava-se uma batalha onde a comunidade estudantil do Distrito Pedra Vermelha, quase 500 alunos matriculados no Colégio Estadual de Pedra Vermelha que abriga o Ensino Médio oferecido para atender a grande região de “Pedra Vermelha” e adjacências reivindica do Município de Monte Santo um terreno para que venha a ser doado ao Estado da Bahia para a construção do prédio próprio da Instituição de Ensino.
O Governador do Estado demonstrou durante a visita uma sensível boa vontade e até mostrou-se surpreso ao saber que os alunos que estudavam no Colégio José Andrade naquele Povoado haviam sido abrigados em um prédio provisório e sem qualquer estrutura para oferecer um Ensino de qualidade, solicitando ao Senhor Prefeito naquela ocasião imediata providência em proceder a escolha de um terreno e fazer tramitar doação do mesmo ao Estado para que fosse iniciada a construção do prédio pelo Estado.


Uma caravana de alunos e representantes da Comunidade de Pedra Vermelha e Adjacências liderada por uma Comissão de representação formada pela Diretora, um Professor, um funcionário, um pai de aluno, um aluno e um representante de Associação de nome Jânio compareceu à Câmara de Vereadores durante uma Sessão e ali foi formalizada uma reivindicação, lida por uma aluna do CEPEV e entregue pela Direção do Colégio à Presidente da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores - Paulina Rodrigues,  diante do Plenário e os Secretários do Executivo e de Articulação Política do Prefeito Jorge Andrade, que ouviram a Comissão e se comprometeram dar prioridade à causa dos Estudantes de Pedra Vermelha, pedindo um tempo de 15 a 30 dias para resolverem o problema.
O tempo foi passando e após os 30 dias alguns Vereadores até se lembraram em plenário sobre o assunto e se pronunciaram, havendo inclusive Vereador que representa a Comunidade de Pedra Vermelha e Adjacências, eleito por expressiva votação naquela região, mas em seguida tudo caiu no esquecimento das autoridades do Executivo e do Legislativo Municipal que poderiam muito bem terem empreendido esforços para atender aquela situação urgente e um ano letivo se passou em que os quase 500 alunos do Ensino Médio daquela região sofreram as amarguras de estudarem em péssimas instalações.
Num rol de falta de estrutura estão: Cozinha e banheiros funcionando num mesmo espaço físico, não havendo uma cantina e nem área coberta para que os alunos possam estar durante os intervalos de aulas, ficando sujeitos ao sol durante o dia, ao relento durante a noite e presos nos dias de chuvas.
 

A Escola funciona num prédio alugado ao Estado, pertencente a parentes do Prefeito Municipal, vindo daí a suspeita de que este seria o motivo da falta de interesse do Prefeito em encontrar um local para doar ao Estado para a construção do Colégio e o pior é que o prédio que abriga o Colégio Estadual de forma provisória encontra-se numa rua também provisória, aberta de forma irregular sobre terrenos de particulares, objeto de disputa judicial segundo uma moradora do local que se diz dona de parte do terreno da viela que sem qualquer manutenção é toda esburacada, repleta de lixo e escombros como se vê nas fotos e quando chove fica alagada impossibilitando a passagem de pedestres com água até no portão do Colégio, situação que revoltou pais e alunos nos últimos dias em que a Escola encontra-se aberta para recebê-los durante as matrículas para o ano letivo de 2016.
O descaso é completo e o prédio não recebe verbas para manutenção pelo Estado e nem qualquer manutenção por parte dos proprietários ou do Município de Monte Santo, não se sabendo que tipo de Convênio ou Contrato feito entre proprietários e Estado no tocante à manutenção, não havendo sequer calçamento da área interna onde os alunos circulam nos intervalos e por ocasião das chuvas até o teto de um dos dois banheiros desabou. As salas de aula sem ventilação, com carteiras velhas, a maioria delas sem apoio para os cadernos de forma que os alunos realizam suas atividades com os cadernos apoiados ao colo. As carteiras são sucatas descartadas, trazidas de uma Escola Estadual que fechou em Salvador, estando as mesmas necessitando de reformas, quadros de anotações e mesas do professor da pior qualidade, livros amontoados dentro das salas de aula por falta de armários e espaço para almoxarifado, espaço da Diretoria, Secretaria e Sala de professores funcionando num cubículo único de 6 metros quadrados e até as Faxineiras e Merendeiras contratadas pelo Município estão há 3 meses sem receber qualquer pagamento, sabendo-se que existe uma parceria entre o Estado e o Município, mas a situação não podia ser pior naquela Unidade Escolar: A água utilizada para consumo dos alunos e uso na cozinha, vem de uma cisterna colocada no patio do Colégio, os banheiros não tem descarga por conta da falta d'água e são utilizados baldes para a higiene dos vasos sanitários, portas sem fechadura; vidraças quebradas, infiltrações nas paredes, telhas quebradas, teto sem forro e goteiras nos dias chuvosos atingindo alunos e livros amontoados nas salas de aula já que não existe espaço para uma Biblioteca, isso desde o início do ano passado,.Vale ressaltar que a verba destinada para as Secretarias de Educação, Cultura, Turismo e Esporte é a  maior do Município, aproximadamente R$52.000.000,00 (Cinquenta e dois milhões de reais) valor estimado no Orçamento para o Exercício de 2016, que inclusive mesmo diante do período de crise teve aumento e superou os valores relativos aos anos anteriores.
A Comunidade estudantil, pais de alunos, professores e funcionários esperam uma providência do Município na sua necessária parcela de contribuição para que ainda em 2016 o problema seja resolvido para que o Ensino possa melhorar e que os formandos no Ensino médio daquela região saiam com bagagem suficiente para enfrentar o ENEM e conseguirem a tão sonhada vaga no Ensino Superior.

Vejam abaixo as fotos e vídeos que comprovam essa triste realidade... 


Fonte: montesanto.net.

Nenhum comentário:

Postar um comentário